Photo by Aditya Chinchure on Unsplash

Sobre o Festival

O festival
Science Film Festival - Trailer 2018
© Goethe-Institut Thailand
O Science Film Festival é uma celebração da comunicação científica no Sudeste e Sul da Ásia, África e Oriente Médio. Em uma colaboração com parceiros locais, ele promove a educação científica e facilita a conscientização sobre questões científicas, tecnológicas e ambientais contemporâneas através de filmes internacionais com atividades educacionais. O festival apresenta questões científicas de forma acessível e divertida para um público amplo e demonstra que a ciência pode ser divertida. O evento cresceu consideravelmente desde sua primeira edição em 2005, tornando-se o maior do gênero em todo o mundo. 

O  Science Film Festival é organizado em cada país pelo Goethe-Institut em estreita colaboração com parceiros locais. O festival conta com a colaboração e participação ativa de instituições de educação científica, escolas, universidades, ministérios e centros culturais em cada um dos países anfitriões, assim como o entusiasmo de seus funcionários e outros parceiros, como ONGs, educadores e grupos de estudantes voluntários que prestam auxílio durante as exibições e atividades.
 

 

O festival
nos últimos anos

2018 - 2011

2018 – A revolução alimentar

Em 2018, o Science Film Festival foi organizado na África do Sul, Burkina Faso, Egito, Etiópia, Filipinas, Índia, Indonésia, Jordânia, Malásia, Mianmar, Namíbia, Palestina, Quênia, Ruanda,
Sri Lanka, Sudão, Tailândia, Emirados Árabes Unidos e Vietnã. O evento aconteceu internacionalmente de 1º de outubro a 23 de dezembro, com datas locais variando de acordo com cada país dentro desse período. O festival alcançou 1,2 milhão de espectadores pela primeira vez em 19 países no sul e sudeste da Ásia, na África e no Oriente Médio.  
 Quando pensamos em ameaças ao meio ambiente, costumamos imaginar carros e cidades em expansão, mas não a comida nas nossas mesas. Mas a verdade é que a nossa necessidade de comida representa um dos maiores perigos para o planeta. O Science Film Festival de 2018 explorou as questões em torno da nutrição e como atender às demandas de uma população global em rápido crescimento é um dos principais desafios deste século. A agricultura está entre os maiores contribuintes para o aquecimento global, emitindo mais gases do efeito estufa do que todos os nossos carros, caminhões, trens e aviões juntos – grande parte do metano liberado vêm de fazendas de gado e arroz, do óxido nitroso de campos fertilizados e do dióxido de carbono do desmatamento de florestas tropicais para cultivar ou criar gado. A agricultura é o maior usuário dos nossos preciosos recursos hídricos e um grande poluidor, já que o escoamento de fertilizantes e esterco tem um impacto direto em lagos, rios e ecossistemas costeiros em todo o mundo. A agricultura também acelera a perda de biodiversidade. À medida que desmatamos áreas de pastagem e florestas para cultivo, perdemos um habitat crucial, o que torna a agricultura um importante fator na extinção de vida selvagem.
 
Os desafios ambientais impostos pela agricultura são enormes e se tornarão mais urgentes à medida que tentamos atender à crescente demanda de alimentos no mundo todo. Provavelmente teremos mais dois bilhões de pessoas para alimentar  no planeta até meados do século – totalizando nove bilhões de pessoas. Mas o crescimento populacional não é a única razão pela qual precisaremos de mais comida. A disseminação da prosperidade em todo o mundo está impulsionando uma demanda crescente por produtos alimentícios. Se essas tendências continuarem, precisaremos produzir aproximadamente o dobro da quantidade atual de alimentos até 2050.

Foco:
A revolução alimentar
Science Film Festival - Thema 2018: Food revolution

2017 - Antropoceno - Bem-vindos à era dos humanos

Em 2017, o Science Film Festival foi organizado em Burkina Faso, Camboja, Egito, Índia, Indonésia, Jordânia, Laos, Malásia, Mianmar, Namíbia, Palestina, Filipinas, Ruanda, África do Sul, Sri Lanka, Sudão, Tailândia, Emirados Árabes Unidos e Vietnã. Assim se estabelecendo em mais duas regiões: o Sul da Ásia e a África Subsaariana.

O festival alcançou mais de um milhão de espectadores (1 142 686) pela primeira vez, em 19 países no sudeste da Ásia, sul da Ásia, África e Oriente Médio. O resultado reforça ainda mais sua posição como o maior festival de cinema científico do mundo e contribui para o seu reconhecimento como uma das iniciativas mais eficazes de divulgação científica nos países em que ocorre.

Bem-vindos à Era dos Humanos – agricultura, comércio, transporte e indústria: desde que os seres humanos existem, temos utilizado e alterado nosso meio ambiente. A industrialização, em particular, contribuiu para a pegada inconfundível, e muitas vezes irreversível, que estamos deixando na Terra. Hoje, essa pegada humana é tão profunda e dominante que cientistas, formuladores de políticas e a sociedade estão estudando se as mudanças causadas pelo homem afetam o registro geológico a longo prazo: se estamos, de fato, vivendo em uma nova era geológica chamada Antropoceno. Por meio de temas selecionados, como urbanização, mobilidade, natureza, evolução, alimentação e interação homem-máquina, o Science Film Festival 2017 explorou o passado, o presente e o futuro da humanidade.

Foco:
Antropoceno
Science Film Festival - Thema 2017: Anthropocene

​2016 - Ciência de materiais

Em 2016, o Science Film Festival foi organizado em Burkina Faso, Camboja, Indonésia, Jordânia, República Democrática Popular do Laos, Malásia, Mianmar, Omã, Palestina, Filipinas, Catar, Rússia, Sudão, Tailândia, Emirados Árabes Unidos e Vietnã. O evento aconteceu internacionalmente de 01 de outubro a 18 de dezembro, com datas locais variando em cada país, dentro desse período. O evento alcançou quase um milhão de espectadores (967 659) em 16 países no sudeste da Ásia, África e Oriente Médio.

Ao longo da história humana, novos materiais revolucionaram o nosso mundo. Sempre que artesãos, fabricantes e cientistas obtinham novos materiais, isso permitia que eles criassem coisas novas que não eram possíveis antes. Mas quais são os próximos novos materiais que mudarão o nosso mundo?

A ciência de materiais poderia ser chamada de “estudo das coisas”! Quase tudo que você usa todos os dias – seus sapatos, os pratos em que você come, o telefone que você usa – é feito de diferentes tipos de substâncias. Entender como os materiais são obtidos, como eles podem ser usados e como podem ser modificados e melhorados para fazer coisas mais surpreendentes – até mesmo criar tipos completamente novos de substâncias: é disso que trata a ciência dos materiais.

Alguns materiais são tão novos que os cientistas que os descobriram mal sabem o que fazer com eles – tudo que sabem é que podem transformar nossas vidas. Os cientistas agora estão usando computadores para projetar materiais e desenvolver suas propriedades antes mesmo de pisarem em um laboratório. Alguns dos materiais mais novos que estão deixando os cientistas muito animados existem apenas em teoria. O objetivo agora é torná-los uma realidade. Mas cada um tem o potencial de ser transformador. Em 2016, o Science Film Festival convidou o público a explorar o passado, o presente e o futuro da ciência de materiais.

Foco:
Ciência de materiais
Science Film Festival - Thema 2016: Material Science

​2015 - Ano internacional da luz da ONU

Em 2015, o Science Film Festival foi organizado em Burkina Faso, Camboja, Indonésia, Jordânia, República Democrática Popular do Laos, Malásia, Mianmar, Omã, Palestina, Filipinas, Catar, Rússia, Sudão, Tailândia, Emirados Árabes Unidos e Vietnã. O evento foi um parceiro oficial colaborador do Ano Internacional de Luz e Tecnologias de Base das Nações Unidas de 2015 e aconteceu internacionalmente de 01 de outubro a 20 de dezembro, com datas locais variando em cada país, dentro desse período. O evento alcançou mais de 750 mil visitantes em 14 países do sudeste da Ásia, norte da África e Oriente Médio, além de ter exibições piloto em Burkina Faso e na Rússia.

Por ocasião do 10º aniversário do Science Film Festival, a Cerimônia de Premiação da edição de 2014 foi realizada no Centro de Novas Tecnologias no Deutsches Museum Munich em 26 de fevereiro de 2015. A cooperação entre o maior museu de ciência e tecnologia do mundo e o maior festival de cinema científico do mundo marcou a primeira edição do evento na Europa.

Ao longo de sua vida, o escritor e estadista alemão Johann Wolfgang von Goethe teve um profundo fascínio pelos efeitos físicos e metafóricos da luz nos seres humanos. Do pôr-do-sol ao arco-íris, dos azuis do céu e do oceano à notável variedade de cores de plantas e animais, nossas primeiras experiências de luz e cor são através do que vemos no mundo natural. No entanto, a importância da luz vai muito além da vida na Terra. Através de grandes descobertas científicas e avanços tecnológicos, a luz nos ajudou a ver e entender melhor o universo. 2015 marca um importante marco na história da física: há cem anos, em novembro de 1915, Albert Einstein escreveu as famosas equações de campo da Relatividade Geral, que mostraram, através de uma série de experimentos centrados no conceito de luz, como a luz era o centro da estrutura do espaço e do tempo. Em todo o mundo, as pessoas estão usando a luz para descobrir soluções para os problemas mais urgentes da sociedade. Da impressão 3D ao fornecimento de soluções de energia para regiões em desenvolvimento, a luz é fundamental para impulsionar as economias e estimular o desenvolvimento no século XXI. Ela revolucionou a medicina, abriu a comunicação internacional via Internet e continua a ser central para conectar aspectos culturais, econômicos e políticos da sociedade global.

Foco: Luz
Science Film Festival - Thema 2015: Light

​2014 - Tecnologias futuras

O Science Film Festival de 2014 incluiu pela primeira vez países do norte da África e quebrou atingiu o recorde de meio milhão de espectadores. O evento aconteceu no Camboja, Egito, Indonésia, região do Golfo, República Democrática Popular do Laos, Jordânia, Malásia, Mianmar, Palestina, Filipinas, Sudão, Tailândia e Vietnã e teve 580 mil visitantes.

Em 2014, o Science Film Festival voltou-se para o futuro e mostrou as tecnologias que moldarão o mundo de amanhã. As descoberta científicas e a inovação tecnológica estão evoluindo a uma velocidade sem precedentes e a mídia está constantemente inserindo novas palavras no nosso vocabulário, como gentech, nanotecnologia, biologia sintética, grafeno, combustível de algas, computadores quânticos e outros conceitos, que costumavam ser do domínio de pesquisadores especialistas, mas que logo terão um impacto em nossas vidas diárias e no mundo em que vivemos.

Em tempos de rápida mudança, pode ser um desafio acompanhar os empolgantes avanços científicos e tecnológicos. Quais promessas e perigos essas inovações nos reservam? Para ajudar a entender as mudanças iminentes que podemos esperar nos próximos dez anos e além, o Science Film Festival procurou explorar o amplo espectro de tecnologias inovadoras na vanguarda da ciência por meio de um conteúdo exemplar de cinema e televisão do mundo todo e diversas atividades.

Foco:
Tecnologias futuras
Science Film Festival - Thema 2014: Future Technologies

​2013 - Série de mudanças climáticas - Energia e sustentabilidade

O Science Film Festival  em 2013 expandiu para o Oriente Médio pela primeira vez e incluiu Camboja, Indonésia, Jordânia, Laos, Malásia, Mianmar, Palestina, Filipinas, Tailândia, Emirados Árabes Unidos e Vietnã. O evento alcançou mais de 440 mil visitantes em 11 países no sudeste da Ásia e no Oriente Médio.

O Science Film Festival concluiu sua série de mudanças climáticas explorando o campo crucial de energia e sustentabilidade em 2013. Analisamos quais soluções a ciência e a tecnologia podem oferecer para proteger os recursos e benefícios do presente para as gerações futuras, e por que a civilização pode enfrentar seu maior desafio coletivo na história neste século. Que tipo de energia queremos usar no futuro e que desafios nos esperam nas próximas décadas são algumas das questões fundamentais que o festival buscou neste ano. Nossa necessidade de pensamento sustentável nunca foi maior e talvez a produção e consumo de energia seja o mais importante alvo disso. As escolhas que fazemos hoje afetarão as gerações futuras.

O custo e a disponibilidade de energia impactam significativamente nossa qualidade de vida, a produtividade das economias, as relações entre as nações e o equilíbrio do nosso ambiente natural. O Science Film Festival procurou contribuir para este debate crucial e encorajar a próxima geração de cidadãos e líderes a se engajarem neste tópico decisivo e tirarem inspiração e informação de filmes e programas do mundo todo sobre o assunto.

Foco:
Energia e sustentabilidade
Science Film Festival - Thema 2013: Energy and Sustainability

​2012 - Série de mudanças climáticas - Década internacional da ONU para a ação 'Água para a Vida'

Em 2012, o Science Film Festival completou sua regionalização no Sudeste Asiático com a inclusão de Mianmar e Laos, levando o festival a oito países. O tema foi “Água” e o evento chegou a 370 mil visitantes na região, garantindo seu título de evento de cinema científico mais visitado do mundo.

O acesso à água e ao saneamento é uma pré-condição para a vida e um direito humano declarado. A água é de vital importância para o desenvolvimento sustentável - da saúde e nutrição à equidade e economia de gênero. Nos próximos anos, nossos desafios relacionados à água se tornarão mais urgentes. As demandas cada vez maiores de uma população em crescimento e do rápido desenvolvimento da economia global, combinadas aos efeitos das mudanças climáticas, exacerbará a falta de acesso à água e ao saneamento para usos domésticos. De fato, muitos especialistas argumentam que a oferta imprevisível de água poderia restringir o progresso socioeconômico no futuro. A Assembléia Geral das Nações Unidas, em dezembro de 2003, proclamou os anos de 2005-2015 como a Década Internacional da Ação “Água para a Vida”. Seu principal objetivo era promover esforços para cumprir os compromissos internacionais assumidos em relação a questões relacionadas à água nos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio das Nações Unidas (ODM) até 2015.

Foco:
Água para a Vida
Science Film Festival - Thema 2012: Water

​2011 - Série de mudanças climáticas - Ano internacional das florestas da ONU

Em 2011, o Science Film Festival expandiu-se para o Vietnã e a Malásia. O tema foi “Florestas” e o evento atingiu mais de 240 mil visitantes no sudeste da Ásia.

O ano de 2011 foi declarado o Ano Internacional das Florestas pelas Nações Unidas para conscientizar e fortalecer o manejo sustentável, a conservação e o desenvolvimento sustentável de todos os tipos de florestas para o benefício das gerações atuais e futuras. As florestas são parte integrante do desenvolvimento sustentável global. Mais de 1,6 bilhão de pessoas dependem das florestas para sua subsistência, com cerca de 300 milhões de pessoas vivendo nelas. A indústria de produtos florestais é uma fonte de crescimento econômico e emprego, com produtos florestais globais comercializados internacionalmente estimados em $ 327 bilhões de dólares.

Estima-se que a cada ano 130 mil km² das florestas do mundo sejam perdidos devido ao desmatamento. A conversão para terras agrícolas, a colheita insustentável de madeira, práticas inseguras de gestão de terras e a criação de assentamentos humanos são os motivos mais comuns para essa perda de áreas florestais. O desmatamento também é responsável por até 20% das emissões globais de gases de efeito estufa que contribuem para o aquecimento global. As florestas fornecem habitats a cerca de dois terços de todas as espécies na Terra e o desmatamento de florestas tropicais fechadas pode significar a perda de biodiversidade de 100 espécies por dia.

Foco: Florestas
Science Film Festival - Thema 2011: Forests

2010 - 2005

​2010 - Série de mudanças climáticas - Ano internacional da biodiversidade da ONU

Em 2010, o Science Film Festival continuou sua expansão regional iniciando edições na Indonésia e nas Filipinas. O festival também iniciou sua série plurianual de foco nas mudanças climáticas com o tema “Biodiversidade”, em cooperação com o Ano Internacional da Biodiversidade da ONU.

Os seres humanos fazem parte da rica diversidade da natureza e têm o poder de protegê-la ou destruí-la. A biodiversidade, a variedade da vida na Terra, é essencial para sustentar as redes e sistemas vivos que fornecem a todos nós saúde, alimento, combustível e os serviços vitais de que nossas vidas dependem. A atividade humana está causando a perda da diversidade da vida na Terra a uma taxa acelerada. Essas perdas são irreversíveis e danificam os sistemas de suporte à vida dos quais dependemos. Mas isso pode ser impedido. A ONU declarou 2010 como o Ano Internacional da Biodiversidade, chamando os líderes mundiais e todos em posição de ajudar a tomar medidas para salvaguardar a vida na Terra. Adotada pela Convenção sobre Diversidade Biológica (CDB) em 2002, esta meta visa reduzir significativamente a taxa de perda de biodiversidade até 2010.

O evento atingiu 130 mil visitantes no Sudeste Asiático, com 88 mil na Tailândia, 12,5 mil na Indonésia, 9,5 mil no Camboja e 20 mil nas Filipinas.

Foco:
Biodiversidade
Science Film Festival - Thema 2010: Biodiversity

​2009 - Astronomia - Aniversário de 400 anos do telescópio

Em 2009, o Science Film Festival iniciou sua regionalização para países vizinhos com a inclusão do Camboja. O Ano Internacional da Astronomia da ONU de 2009 marcou o 400º aniversário do ano em que o astrônomo Galileu Galilei começou a fabricar seus próprios telescópios e apontá-los para o céu. Em pouco tempo, ele começou a caracterizar a superfície da lua, descobriu quatro das luas de Júpiter e começou a revolucionar nossa visão do lugar da Terra no universo.

Além disso, um boletim de notícias de outubro de 1608 descreve a visita da primeira missão diplomática siamesa à Europa e a primeira demonstração documentada de um telescópio em todo o mundo. Na hora da demonstração do telescópio, um embaixador siamês enviado pelo rei Ekathotsarot (1605-1610) acabara de chegar a Haia, o primeiro embaixador tailandês a visitar a Europa. Como os siameses eram os representantes oficiais do Rei Ayutthaya, não é improvável que eles também tenham visto o telescópio ou mesmo tenham dado uma olhada através deste instrumento. Caso isso tenha de fato acontecido, eles foram os primeiros asiáticos a olhar através de um telescópio. Exatamente 180 anos depois, o Rei Mongkut calculou as circunstâncias para um eclipse total do sol em 18 de agosto de 1868 perto de Prachuab Kirikhan. Seus cálculos, baseados em livros modernos, telescópios e outros equipamentos encomendados de Londres, mostraram-se corretos, mas durante sua estada o rei Mongkut contraiu malária e morreu em 1º de outubro de 1868, sendo provavelmente a primeira vítima real das aspirações astronômicas. Como homenagem ao seu cálculo correto do eclipse, 18 de agosto é comemorado na Tailândia como o Dia Nacional da Ciência.

O evento alcançou 5,5 mil visitantes em seu primeiro ano no Camboja e 112 mil na Tailândia.

Foco: Astronomia
Science Film Festival - Thema 2009: Astronomy

​2008 - Entretenimento educativo científico - Conhecimento Através do entretenimento

Em 2008, o Festival de Filmes de Ciência expandiu-se para mais de 20 províncias da Tailândia e alcançou 88 mil visitantes. O tema deste ano, Entretenimento educativo científico, foi bastante amplo e exemplifica a metodologia do Science Film Festival de combinar educação com entretenimento.

Entretenimento educativo é a integração bem sucedida da educação no ambiente de entretenimento da televisão, e não uma banalização da educação real. Em vez disso, o paradigma da interatividade para a educação em formatos de TV aberta oferece maneiras sofisticadas, personalizadas, empolgantes e inovadoras de apresentar disciplinas acadêmicas tradicionais.

O festival otimizou o seu perfil para refletir o público-alvo com maior interesse no festival: alunos do ensino fundamental e médio.

Foco:
Entretenimento educativo científico
Science Film Festival - Thema 2008: Edutainment

​2007 - Biônica - O efeito de lótus

Em 2007, o Science Film Festival iniciou o IPST Traveling Festival e pela primeira vez chegou a cinco outras províncias, além da capital Bangkok. O tema deste ano foi “Biônica - O Efeito Lótus”.

Em 1975, os botânicos Barthlott e Neinhuis da Universidade de Bonn descobriram a capacidade de auto-limpeza da flor de lótus. Os cientistas observaram que as flores de lótus se livram da lama e da sujeira ao desdobrar suas folhas pela manhã. Então, eles examinaram a estrutura da superfície da folha de lótus com um microscópio eletrônico, descobrindo não uma estrutura lisa como esperado, mas muito áspera. Estes efeitos reduzem a força da adesão e revestem a flor de lótus com uma superfície super hidrofóbica. Como o efeito Lótus foi introduzido na biônica, também passou a ser utilizado para fins comerciais. Hoje podemos encontrar o efeito Lotus na indústria têxtil, produzindo tecidos hidrofóbicos. Outros campos de uso incluem vidro, plásticos, superfícies pintadas, metais e cerâmicas.

O evento foi visitado por 44 mil jovens espectadores, estabelecendo-o como o maior evento do gênero no mundo em termos de audiência na terceira edição do Science Film Festival edition.

Foco: Biônica
Science Film Festival - Thema 2007: Bionics

​2006 - Carbono 60 'Buckyball' - Nanotecnologia

Em 2006, o Science Film Festival focou no tema “Carbono 60 e Nanotecnologia”, em homenagem às comemorações do 60º aniversário da da coroação do Rei Bhumibol Adulyadej.

"Buckyballs", também chamados de fulerenos, foram uma das primeiras nanopartículas descobertas. Essa descoberta aconteceu em 1985 por um trio de pesquisadores da Universidade Rice, chamados Richard Smalley, Harry Kroto e Robert Curl. Buckyballs são compostos de átomos de carbono conectados por ligações covalentes a outros três átomos de carbono. No entanto, os átomos são conectados seguindo o mesmo padrão de hexágonos e pentágonos que você encontra em uma bola de futebol, conferindo ao "buckyball" uma estrutura esférica. O buckyball mais comum contém 60 átomos de carbono e, às vezes, é chamado C60. As ligações covalentes entre os átomos de carbono tornam os buckyballs muito fortes, e os átomos de carbono prontamente formam ligações covalentes com uma variedade de outros átomos. Buckyballs são usados ​​em compostos para fortalecer o material. Eles têm a propriedade elétrica interessante de serem bons receptores de elétrons, o que significa que eles aceitam elétrons soltos provenientes de outros materiais. Esse recurso é útil, por exemplo, para aumentar da eficiência das células solares, que transformam a luz solar em eletricidade.

O evento se associou a outros locais em Bangkok, como o National Science Museum da Tailândia, e conseguiu atingir 11 mil visitantes em seu segundo ano.

Foco:
Nanotecnologia
Science Film Festival - Thema 2006: Nanotechnologie

​2005 - Einstein - Nunca deixe de perguntar

Em 2005, o Science Film Festival foi iniciado na Tailândia pelo Goethe-Institut e pelo  Institute for the Promotion of Teaching Science and Technology (IPST). O tema do ano inaugural foi "Einstein - Nunca deixe de perguntar", em comemoração ao aniversário de 100 anos do chamado "Ano Milagroso" de Einstein, no qual, ao longo de quatro meses (março a junho de 1905), Albert Einstein produziu quatro artigos que revolucionaram a ciência.

Um deles explicava como medir o tamanho das moléculas em um líquido; o segundo, como determinar seu movimento; e o terceiro descrevia como a luz vem em pacotes chamados fótons – a base para a física quântica e a ideia que lhe rendeu o Prêmio Nobel. Um quarto artigo introduziu a relatividade especial, levando os físicos a reconsiderar noções de espaço e tempo aceitas desde o início da civilização. Então, alguns meses depois, quase que como uma reflexão tardia em um quinto artigo, Einstein apontou que matéria e energia podem ser intercambiáveis ​​em nível atômico, especificamente que E=mc², a base científica para a energia nuclear e a mais famosa equação matemática da história.

O evento teve 5.000 visitantes em Bangkok em seu primeiro ano e determinou a metodologia do Science Film Festival, que combina exibições com atividades práticas.

Foco: Einstein
Science Film Festival - Theme 2005: Einstein

Mais informação

Submission

Inscrições De Filmes

O Science Film Festival aceita inscrições todos os anos, de meados de janeiro até o final de março.

Learning materials

Materiais didáticos

O Science Film Festival oferece sugestões de atividades educacionais relacionadas aos filmes exibidos no festival para o público jovem.

Awards

Prêmios

O Science Film Festival concede seis prêmios por ano.