Comunicados de Imprensa

Goethe-Institut Imprensa Foto: IStock

10 de Fevereiro de 2022

O Prémio de Arte Henrike Grohs 2022: Anúncio dos Finalistas

Temos o prazer de anunciar os três finalistas para o Prémio de Arte Henrike Grohs 2022.

"O Henrike Grohs Art Award (HGAA) foi estabelecido para prestar homenagem ao talento artístico excepcional no continente africano. Os três finalistas do prémio deste ano foram seleccionados entre mais de 260 candidaturas. A diversidade dos métodos de trabalho, áreas temáticas e disciplinas dos finalistas é impressionante e é um exemplo da riqueza das artes visuais no continente. Parabéns a: Gladys Kalichini, Temitayo Ogunbiyi e Va-Bene Elikem Fiatsi".

Dra. Asma Diakité: Chefe de Programas Culturais para a África Sub-Sahariana

Henrike Grohs Art Award © Goethe-Institut e.V. Gladys Kalichini (Zâmbia), Temitayo Ogunbiyi (Nigéria) e Va-Bene Elikem Fiatsi (Gana) foram seleccionadas por um júri composto por Serubiri Moses (escritor independente e curador baseado em Nova Iorque), Ugochukwu-Smooth C. Nzewi (curador Steven e Lisa Tananbaum no departamento de pintura e escultura do Museu de Arte Moderna (MOMA), Nova Iorque), e Princess Marilyn Douala Manga Bell (directora do centro de arte contemporânea doual'art, em Douala, Camarões).

Enquanto normalmente as cerimónias de entrega dos prémios deveriam ser celebradas numa bienal ou num grande evento de arte no continente, devido à pandemia de Covid-19, a iteração de 2022 será de novo alojada online. O anúncio final terá lugar através das plataformas do prémio ao meio-dia (Horário da África Central, CAT) de 31 de Março de 2022.

A/o vencedor/a receberá um prémio monetário de 20.000 euros, com um adicional de 10.000 euros para a produção de uma publicação sobre o seu trabalho. Dois artistas serão seleccionados como segundos classificados e receberão um prémio em dinheiro de 5.000 euros cada um.

O Prémio de Arte Henrike Grohs é um prémio de arte bienal itinerante concebido pelo Goethe-Institut e pela família Grohs em memória da antiga directora do Goethe-Institut em Abidjan, Henrike Grohs. O prémio é atribuído bienalmente a um artista ou colectivo que viva e trabalhe no continente africano, e que pratique no campo das artes visuais.

Sobre os Finalistas do Prémio de Arte Henrike Grohs 2022

Gladys Kalichini é uma artista visual e investigadora contemporânea de Lusaka, Zâmbia. O seu trabalho centra-se em torno de noções de apagamento, memória, e representações e visibilidades das mulheres nas histórias de resistência colonial. Actualmente é doutoranda na Universidade Rhodes na África do Sul e membro do programa de investigação Arts of Africa and Global Souths, apoiado pela fundação Andrew W. Mellon e pelo Fundo Nacional de Investigação da África do Sul. Participou no Programa Internacional de Arte Àsìkò em Maputo, Moçambique em 2015 e na segunda iteração do projecto Women On Aeroplanes em Lagos, Nigéria em 2018, com o tema "Search Research: À Procura de Collete Omogbai".

Residências seleccionadas nas quais participou incluem a Residência Fountainhead em Miami, EUA em 2017, o programa de estúdio internacional Künstlerhaus Bethanien em Berlim, Alemanha em 2019/2020, apoiado pela fundação KFW e o programa de residência Dekoloniale, também em Berlim.

***

Vivendo e trabalhando em Lagos, Nigéria, há mais de 10 anos, Temitayo Ogunbiyi vive em grande parte através das tradições culturais da África Ocidental e das Caraíbas. Vive e constrói ligações entre comunidades distintas, e entre botânicos e histórias humanas.
 
Em 2017, começou a desenhar o seu primeiro parque infantil funcional em resposta aos poucos parques infantis públicos que conseguiu encontrar em Lagos para os seus filhos pequenos. Ogunbiyi recebeu várias bolsas e prémios, incluindo uma Bolsa Digital Earth Fellowship 2020-2021, uma Bolsa Smithsonian Artist in Research Fellowship 2018 e uma Bolsa da Fundação Ford em 2014.

O seu trabalho artístico foi exposto no Museo MADRE (Nápoles, Itália), na Bienal de Lagos de 2019, na Fundação Pulitzer Foundation for the Arts, no Centro de Arte Contemporânea de Lagos, no Museum of Contemporary African Diasporan Arts (Brooklyn, NYC), no Museu de Artes Perm (Perm Rússia), uma publicação curatorial para a 10ª Bienal de Berlim, e no Fries Museum (Berlim). A sua obra está incluída nas colecções Merrill Lynch/Bank of America, do Museo MADRE (Nápoles, Itália), e do Musée Quai de Branly, Paris, e em várias colecções privadas. Obteve o seu BA na Universidade de Princeton (2006) e o seu MA na Columbia University (2011).

***

Pronoun: "sHit" se não "she".

Va-Bene Elikem Fiatsi [CrazinisT artisT] trabalha internacionalmente mas vive em Kumasi, Gana. sHit é "artivista" multidisciplinar, fundadoe e directore artístique da Residência Internacional de Artistas PerfocraZe (pIAR) que visava promover o intercâmbio entre artistas internacionais e locais, activistas, investigadores, curadores e assim por diante. Como artista performative e instaladore, crazinisT investiga estereótipos de género, preconceitos, queerness, políticas e conflitos de identidade, estigma sexual e as suas consequências para grupos ou indivíduos marginalizados.

Com rituais e uma persona gender fluid, sHit emprega o próprio corpo como uma ferramenta provocadora de pensamento em performances, fotografia, vídeo, e instalações, "life-and-live-art" enfrentando questões como privação de direitos, justiça social, violência, objectificação, opressão internalizada, anti-escuridão, doutrinação sistémica e muito mais.

CrazinisT actuou e exibiu em todo o mundo, incluindo países como a Nigéria, Togo, Gana, Suíça, África do Sul, Alemanha, Holanda, Cabo Verde, EUA, Espanha, Brasil, França e Reino Unido. sHit foi apresentade em várias publicações e revistas, tais como o I-D Vice London, I-D Vice Dutch, Financial Times, King Kong Magazine, CCQ London, Miami Rail, Freeflowingvisuals, TRT WORD Film Documentary, This is Africa, Art Ghana, Lost At E Minor, CNN, Frankfurter Allgemeine Zeitung, Die Tageszeitung (TAZ), Horizonte da Cena, Radio FRO etc.

***

Para mais informações visite: www.henrikegrohsartaward.africa

Siga o Henrike Grohs Art Award on social media:
instagram.com/henrikegrohsartaward
facebook.com/HenrikeGrohsArtAward
twitter.com/HG_ArtAward

Sobre Henrike Grohs

Henrike Grohs estudou etnologia e foi directora do Goethe-Institut em Abidjan de 2013 a 2016. Foi co-fundadora do projecto Next - Intercultural Projects na Haus der Kulturen der Welt, em Berlim. Entre 2002 e 2009, trabalhou como Gestora de Projectos no programa de educação da Orquestra Filarmónica de Berlim. Em 2009, foi nomeada conselheira em cultura e desenvolvimento no Goethe-Institut, na África do Sul. Henrike Grohs faleceu aos 51 anos de idade num ataque terrorista na Costa do Marfim, em Março de 2016, juntamente com outras dezassete pessoas.

Sobre o Goethe-Institut

O Goethe-Institut é o instituto cultural de âmbito internacional da República Federal da Alemanha. Promovemos o conhecimento da língua alemã no estrangeiro e o intercâmbio cultural internacional. Actualmente está representado em 98 países e conta com cerca de 3.300 funcionários. Contribui amplamente para a promoção de artistas, ideias e obras. O apoio aos cenários culturais locais e o reforço do diálogo pan-africano através das artes fazem parte da sua missão no continente africano, onde opera 19 institutos em Abidjan, Accra, Addis Abeba, Alexandria, Cairo, Casablanca, Dakar, Dar es Salaam, Joanesburgo, Cartum, Kigali, Lagos, Lomé, Luanda, Nairobi, Ouagadougou, Rabat, Tunis, Windhoek e Yaoundé, bem como escritórios de ligação em Argel e Kinshasa e associações culturais em Antananarivo, Bamako, Cidade do Cabo, Harare, Kampala e Maputo.

Parceiros da rede

Um agradecimento especial aos seguintes parceiros em todo o continente que permitiram que o Prémio Henrike Grohs Art Award chegasse a tantos artistas nas suas redes:

Anima Creative Studio, Maputo, Moçambique
ANO, Accra, Gana
Art Twenty One, Lagos, Nigéria
Associação Soleil D'Afrique, Bamako, Mali
Association for Visual Arts Gallery, Cidade do Cabo, África do Sul
Bag Factory Artists' Studios, Joanesburgo, África do Sul
Centro Cultural Kôrè, Ségou, Mali
Colectivo Pés Descalços, Luanda, Angola
Doual'art, Douala, Camarões
Galeria First Floor, Harare, Zimbabué
Greatmore Art Studio, Cidade do Cabo, África do Sul
Kër Thiossane, Dakar, Senegal
Le Cube, Rabat, Marrocos
Les Atelier SAHM, Brazzaville, Congo
Nafasi Art Space, Dar es Salaam, Tanzânia
Fundação Nubuke, Acra, Gana
Raw Material Company, Dakar, Senegal
The Godown Arts Centre, Nairobi, Quénia
Galeria Townhouse, Cairo, Egipto
Village Unhu, Harare, Zimbabué
Voices in Colour, Bulawayo, Zimbabué
Centre d'Art Waza, Lubumbashi, República Democrática do Congo
Zoma Contemporary Art Centre, Addis Abeba, Etiópia

17 de Agosto de 2021

Henrike Grohs Art Award: Aberto concurso para artistas visuais africanos!

Estão abertas as inscrições para o 3º Prémio de Arte Henrike Grohs. O Prémio de Arte Henrike Grohs é um prémio rotativo de arte bianual concebido pelo Goethe-Institut e pela família Grohs em memória da antiga Chefe do Goethe-Institut em Abidjan, Henrike Grohs.

O Prémio Henrike Grohs Art Award foi criado para prestar homenagem ao talento artístico excepcional no continente africano e para reconhecer que as condições de trabalho dos jovens artistas profissionais são de facto desafiantes, ainda mais em tempos de uma pandemia global.

A Dra. Asma Diakité, Chefe Regional de Programas do Goethe-Institut de Joanesburgo, sublinha a importância do prémio: "O prémio oferece visibilidade internacional aos talentos emergentes e cria uma plataforma para mostrar a diversidade da prática contemporânea das Artes Visuais Pan-Africanas. Desafia assim as concepções de longa data e mal orientadas sobre o continente multifacetado".

Como o falecido Okwui Enwezor disse uma vez, "Se tivermos uma mente aberta, a arte ocidental não tem de ser vista em oposição à arte de outros lugares, mas pode ser vista num diálogo que ajuda a proteger as diferenças e as decisões que apresentam as circunstâncias e as condições materiais de produção em que os artistas moldam qual pode ser a sua visão do iluminismo".

"As duas últimas edições do Prémio Henrike Grohs Art Award trouxeram uma série de obras artísticas inspiradoras e evocativas e aguardamos com entusiasmo a sua 3ª interação".

O prémio é dirigido à jovens artistas que vivem e trabalham no continente Africano. É atribuído bianualmente à um artista ou colectivo de artes que praticam no campo das artes visuais. O prémio visa apoiar os artistas emergentes nas suas carreiras, respondendo aos desafios da prática no continente Africano. A qualidade artística é o critério mais importante para a atribuição do prémio.

O prémio principal é atribuído por um júri internacional após a elaboração de uma lista de pré-selecção por uma comissão de selecção. O artista individual ou colectivo vencedor receberá um prémio monetário de 20.000 euros e 10.000 euros para a produção de uma publicação sobre o trabalho do vencedor. Dois artistas ou colectivos serão seleccionados como segundos classificados e receberão um prémio em dinheiro de 5.000 euros cada um.

Cada interação da cerimónia de entregados prémios é celebrada numa bienal diferente ou num grande evento artístico existente no continente.
 
Jackie Karuti (Quénia) recebeu o Prémio de Arte Henrike Grohs 2020, com Sabelo Mlangeni (África do Sul) e Akwasi Bediako Afrane (Ghana) como vice-campeões. A cerimónia estava marcada para ter lugar em Dak'Art - Bienal de Arte Contemporânea, mas foi cancelada devido à pandemia de Covid-19. Os fundos atribuídos à cerimónia de entrega dos prémios foram redistribuídos aos 17 artistas no topo da lista de pré-selecção.

Como concorrer

Todas as candidaturas devem ser apresentadas utilizando o formulário de candidatura. Ao apresentar a candidatura, o candidato aceita as condições do concurso. As candidaturas serão encerradas no dia 17 de Setembro de 2021.

Contacto

info@henrikegrohsartaward.africa
www.henrikegrohsartaward.africa

Gabriele Stiller-Kern
Directora
Goethe-Institut Angola
Rua Comandante Kwenha 272
Luanda - Maculusso
Mobil +244 929 247 355
 
gabriele.stiller-kern@goethe.de
www.goethe.de/angola
www.facebook.com/goetheangola

Sobre o Goethe-Institut

O Goethe-Institut é o instituto cultural da República Federal da Alemanha, activo em todo o mundo. O seu mandato é promover o estudo da língua alemã no estrangeiro e encorajar o intercâmbio cultural internacional. Actualmente está representado em 98 países e conta com cerca de 3.300 funcionários. Contribui amplamente para a promoção de artistas, ideias e obras. O apoio aos cenários culturais locais e o reforço do diálogo pan-africano através das artes fazem parte da sua missão no continente africano, onde opera 19 institutos em Abidjan, Acra, Adis Abeba, Alexandria, Cairo, Casablanca, Dakar, Dar es Salaam, Joanesburgo, Khartoum, Kigali, Lagos, Lomé, Luanda, Nairobi, Rabat, Tunis, Windhoek e Yaoundé, bem como 3 escritórios de ligação em Argel, Kinshasa e Ouagadougou.

01 de Junho de 2021

Boostcamp de Sustentabilidade Ambiental 2021

O Goethe-Institut Angola realiza uma oficina de sustentabilidade ambiental para promover projectos inovadores.

O Goethe-Institut Angola convida activistas ambientais, artistas, cientistas e todas as pessoas interessadas em ecologia e sustentabilidade para uma oficina criativa. O Boostcamp vai ser realizado de 16 a 18 de Junho em Luanda, das 9h às 17h, nas instalações do Elinga Teatro.

No "Boostcamp de Sustentabilidade Ambiental" de três dias os participantes desenvolverão conjuntamente projectos de ambiente e sustentabilidade inovadores. Será importante a possibilidade de implementar os projectos na realidade cotidiana local – seja no seu bairro, no local de trabalho ou numa associação.

Três equipas serão selecionadas para receberem um prémio monetário e acompanhamento profissional para o desenvolvimento e implementação da sua ideia. O júri será composto por Adjany Costa, Cecília Bernardo, Érica Tavares, João Manoel Serôdio e Lueji Pestana.

Os interessados podem candidatar-se aqui: https://docs.google.com/forms/d/e/1FAIpQLSenax9DBqBirI0EBHM7W_gVs_R0inDL6pdI56gUP1muook46A/viewform

São convidados todos os órgãos de comunicação social em Luanda para cobrirem o evento.

Sustainable Together – Juntos Sustentáveis!

Trata-se de uma actividade conjunta com o Goethe-Institut na África do Sul, Etiópia, Nigéria e Ruanda, no âmbito do projecto “Sustainable Together – Juntos Sustentáveis” e do intercâmbio intelectual entre países africanos.

Contacto:

Gabriele Stiller-Kern
Directora / Leiterin
Goethe-Institut Angola
Rua Comandante Kwenha 272
Luanda – Maculusso
Móvel +244 929 247 355
 
gabriele.stiller-kern@goethe.de
www.goethe.de/angola
www.facebook.com/goetheangola
 

19 de Maio de 2021

O Goethe-Institut Angola anuncia cursos presenciais de Língua Alemã

O Goethe-Institut Angola tem o prazer de anunciar que os cursos presenciais de alemão estão de volta, a partir do dia 31 de Maio de 2021, em Luanda. Os cursos para iniciantes e avançados destinam-se a todos interessados em conhecer a cultura alemã, em estudar na Alemanha e aos que buscam novas oportunidades no mercado de trabalho.

Os cursos são realizados em conjunto com a Rede das Mediatecas de Angola e com o apoio financeiro da GAUFF Engineering, uma empresa que presta serviços de engenharia em Angola desde 1995 – um campo em que as empresas alemãs são líderes mundiais.
 
Um outro exemplo do sucesso das empresas alemãs é a vacina Covid-19 da BioNTech/Pfizer, a primeira vacina a ser aprovada a nível mundial. A vacina foi significativamente desenvolvida na Alemanha, na empresa BioNTech por uma equipa de investigadores liderada por um casal, os dois filhos de imigrantes.
 
Assim, o alemão pode abrir portas em qualquer parte do mundo. Na propria Alemanha, a lingua é a chave mais importante para obter acesso à vasta oferta de bolsas para estudar numa das excelentes universidades do país.
 
Além disso, a língua alemã também pode alargar horizontes culturais: A cultura de língua alemã destaca-se em diferentes áreas, como na música (Bach, Beethoven, Mozart), literatura (Goethe, Kafka, Schiller), filosofia (Kant, Marx, Nietzsche), mas também no desporto (Bayern de Munique, Borussia Dortmund, Michael Schumacher, Dirk Nowitzki). Através do idioma será possível um contacto directo com as obras e os productos de língua alemã.

As aulas

As aulas para iniciantes (A1.1) terão lugar três vezes por semana, às segundas, quartas e sextas, das 16:30 às 18:00 horas e as aulas para avançados (A1.2) terão lugar às terças e quintas-feiras, das 16.30 às 18:00, na Mediateca de Luanda (28 de Agosto, no Largo das Escolas) e em Talatona (local e data a anunciar).
 
Asseguramos o cumprimento das regras e normas de biossegurança, e contamos com a presença de três professores formados: a já conhecida Sílvia Ochôa, o Alfredo Gomes com vasta experiência de ensino em vários países e a Rita Soares, falante nativa do alemão.
 
Anunciamos também que o exame de nível A1 estará disponível a partir de Junho.

Inscrições

Convidamos todos os interessados a inscreverem-se no Goethe-Institut Angola (Rua Comandante Kwenha 272, Luanda – Maculusso, telefone: +244 921 733 134, e-mail: cursos.luanda@goethe.de). Informações detalhadas encontram-se na nossa página web.
 
Aprenda alemão – conquiste o seu lugar / Alemão – uma língua com futuro

Contacto:

Gabriele Stiller-Kern
Directora / Leiterin
Goethe-Institut Angola
Rua Comandante Kwenha 272
Luanda – Maculusso
Móvel +244 929 247 355
 
gabriele.stiller-kern@goethe.de
www.goethe.de/angola
www.facebook.com/goetheangola
 

Preservar o património cultural: Goethe-Institut e museus etnológicos a expandir departamento de restauração do Museu Nacional de Antropologia

Com a formação de restauradores e o equipamento do departamento de conservação e restauro, o Goethe-Institut, com o apoio do Museu Etnológico dos Museus Nacionais em Berlim, está a empenhar na preservação de objectos em perigo da colecção do Museu Nacional de Antropologia, que é único no mundo. O projecto iniciará os seus trabalhos no dia 1 de Outubro.

Com mais de 6.000 objectos, a colecção do Museu Nacional de Antropologia em Luanda é considerada a colecção etnológica angolana mais abrangente do mundo. Consiste em objectos quotidianos, artísticos e religiosos de todos os grupos etno-linguísticos do país e alberga peças esteticamente excepcionais que estão em falta em colecções comparáveis. Estes incluem inventários de pessoas escravizadas dos séculos XVIII e XIX, que têm um significado historiográfico único muito para além de Angola.

No centro do projecto está a residência de um conservador especializado que irá formar dois membros do pessoal do museu em Luanda e de outros museus angolanos ou licenciados de universidades angolanas. A formação inclui residências de seis semanas no departamento de restauração do Museu Etnológico de Berlim (SMB/PK) e visitas dos colegas de Berlim ao Museu Nacional de Antropologia em Luanda.

Todo o material de trabalho necessário será adquirido e será criada uma base de dados para servir de base à catalogação posterior da colecção e à investigação científica das biografias dos objectos. A base de dados, que será desenvolvida em estreita cooperação com o Museu Etnológico de Berlim, ajudará a promover ainda mais o intercâmbio de listas de objectos e bases de dados entre os dois museus e a simplificar o trabalho conjunto.

A expansão do departamento de conservação e restauro preventivo no Museu Nacional de Antropologia faz parte da cooperação abrangente  acordada entre a Direcção dos Museus Nacionais de Angola, a Fundação do Património Cultural Prussiano e o Goethe-Institut Angola em Dezembro de 2018.
 

Mais informações:

Entrevista sobre o projecto com a Dra. Paola Ivanov (Berlin) e a Gabriele Stiller-Kern (Luanda)
www.goethe.de/angola
www.smb.museum

O projecto é financiado pela "Cooperação Internacional dos Museus" do Ministério das Relações Exteriores da República Federal da Alemanha. Parceiro é o Museu Etnológico de Berlim (SMB/PK).
 

Contacto

Gabriele Stiller-Kern
Directora
Goethe-Institut Angola
+244 929 247 355
gabriele.stiller-kern@goethe.de

Viola Noll
Porta-voz adjunta da imprensa
Goethe-Institut Berlin
+49 160 96 99 09 95
noll@goethe.de

Paola Ivanov
Curadora das colecções África Oriental/Nordeste/Central/Sul
Ethnologisches Museum
Staatliche Museen zu Berlin
+49 30 8301230
p.ivanov@smb.spk-berlin.de

15 de dezembro 2018

O Goethe-Institut e os Museus Etnológicos em Berlim e Luanda iniciam uma cooperação

A Direcção dos Museus Nacionais Angolanos, a Fundação do Património Cultural Prussiano e o Goethe-Institut acordaram uma cooperação a longo prazo em Luanda. Hermann Parzinger, Presidente da Fundação do Património Cultural Prussiano, Norbert Spitz, Chefe Regional do Goethe-Institut da África Subsaariana, e Ziva Domingos, Director Nacional dos Museus Angolanos, assinaram um memorando de entendimento na capital angolana.

Durante o domínio colonial em Angola, foram criadas grandes colecções etnográficas para o Museu Etnológico (Staatliche Museen zu Berlin) e para o Museu do Dundo no nordeste de Angola. Os objectos do Museu do Dundo formam hoje uma grande parte da colecção do Museu Nacional de Antropologia em Luanda. O Museu de Etnologia de Berlim (Staatliche Museen zu Berlin - Stiftung Preußischer Kulturbesitz) também abriga uma das mais importantes e antigas colecções de arte e de cultura material de Angola.

O foco da cooperação será a exploração das colecções de ambos os museus, o questionamento de sua história, bem como a sua activação no presente, com referências mútuas e conteúdos elaborados conjuntamente. No primeiro ano os parceiros concordaram em partilhar informações sobre as colecções dos museus em Luanda e Berlim, em fazer um Workshop sobre conservação e restauração e em traduzir documentos históricos e etnográficos para o português. Em conjunto com membros das comunidades de origem dos objectos, artistas de Angola e Alemanha concordaram em desenvolver um projecto sobre a história das colecções destes objectos.

O Presidente do Goethe-Institut, Klaus-Dieter Lehmann, acolheu esta iniciativa calorosamente: "Com um plano de acção muito concreto, elaborado em conjunto pelos parceiros, esta cooperação tem uma perspectiva que pode servir de exemplo. É mais um projecto sobre a história e o futuro das questões coloniais que o Goethe-Institut apoia. Neste âmbito, o Goethe -Institut pode também contribuir com os seus longos anos de experiência, permitindo plataformas de intercâmbio crítico e constructivo, reunindo actores de diversos países e diversas disciplinas."

Hermann Parzinger enfatizou a ampla gama de tarefas que devem ser abordadas em conjunto: "Queremos, tendo em conta as nossas limitações, fazer parte e apoiar os museus angolanos nas suas múltiplas tarefas. A história das colecções em Angola e Berlim está permanentemente entrelaçada pelo trabalho de pesquisadores dos séculos XIX e XX. Tendo como base esta história compartilhada, buscamos novos caminhos para o futuro, por meio de pesquisas conjuntas, incluindo proveniência, treinamento e capacitação. Na área dos museus, iniciou-se uma nova era de cooperação germano-angolana."

A cooperação entre o Goethe-Institut Angola e os museus etnológicos de Berlim e Luanda é o resultado da cooperação entre as embaixadas da Alemanha e da França em Luanda, da Alliance Française e do Goethe-Institut Angola. Neste contexto, já fora realizado, em Luanda, Maio de 2018, um Workshop preparatório para os parceiros. Neste encontro, os funcionários de todas as instituições participantes determinaram os objectivos desta cooperação num segundo Workshop, que se realizou de 26 a 30 de Novembro, a convite do Goethe-Institut no Museu Etnológico (Staatliche Museen zu Berlin).

O Goethe-Institut é o instituto cultural mundial da República Federal da Alemanha. Com 159 institutos em 98 países, promove o conhecimento da língua alemã no exterior, cultiva a cooperação cultural internacional e fornece uma imagem actual da Alemanha.


CONTACTOS:

Goethe-Institut e.V.
Dr. Jessica Kraatz Magri
Dir. Comunicação / Portavoz
jessica.kraatzmagri@goethe.de
Tel. +49 89 15 921 249
 
Goethe-Institut Angola
Gabriele Stiller-Kern
Directora
gabriele.stiller-kern@goethe.de
Tel. +244 929 247 355
 
Stiftung Preußischer Kulturbesitz
Ingolf Kern
Dir. do Departamento de Medias e Comunicação
i.kern@hv.spk-berlin.de
Tel. +49 30 266 411 440